VÍDEOS

Loading...

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

RENDA FRANCESA


Nome Botanico:
Nome científico: Rumohra adiantiformis

Nomes Populares :
Samambaia, renda-francesa
Família:
Pteridophyta – Família Dryopteridaceae
Originária da região da Austrália.

Descrição:

Planta herbácea rizomatosa, com grandes e longos rizomas cheios de pelos marrons escuros, de onde partem as folhas compostas, finamente pinadas, de aparência delicada,queima no inverno e rebrota na primavera.

Curiosidades:
Se você tem samambaia, saiba que dá abrigo para um dinossauro! Essa é a planta mais antiga do mundo!Assim como avencas e rendas-portuguesas, samambaias gostam de solo úmido e sol fraco. Quando regá-las, escorra a água que ficar no prato. Quem dá a dica é Takasi Kadoguchi, um dos maiores produtores dessas plantas: "Elas são como nenês com fralda: se passarem muitas horas molhadas, reclamam". Conheça os segredinhos para ter suas "dinossaurinhas" verdinhas, cheias de brotos e felizes!

Modo de cultivo:
Para ambientes iluminados, porém sem sol direto, é uma planta que poderá ser cultivada no chão sob árvores, em vasos ou jardineiras e em vasos para interiores.
Os vasos podem ser largos, do tipo bacia, mas não precisam ser altos, pois os rizomas ficam meio a descoberto no substrato.


O jeito certo de cuidar :

Encontre um bom cantinho:
Procure um lugar de meia sombra, onde não bata o sol forte do meio-dia. Se você mora em casa e tem um puxadinho ou uma garagem fresca e clara, pode apostar que ela vai curtir. Tome cuidado para escolher um canto longe de correntes de vento, que desidratam a planta e fazem as folhas caírem.

Regue regularmente:
Mantenha o vaso úmido. Para não ter erro, coloque o dedo na terra: se ele sair sujo, não precisa molhar. Evite regar a folhagem - muitas espécies abortam folhas encharcadas.

Faça uma mistura correta de adubos:
Para suas plantas ficarem tão lindas quanto na floricultura, misture 2 col. (sopa) de torta de mamona e 1 col. (sopa) de farinha de osso e espalhe na terra, a cada 40 dias. Você também pode borrifar as folhas num mês com NPK 20-20-20 e, no outro, com NPK 15-05-30, seguindo as orientações de diluição da embalagem.
Solo e substrato :O solo de cultivo deverá ser rico em matéria orgânica.
Usa-se uma mistura de composto orgânico, turfa e areia.
Também pode ser usado o substrato especial organo-mineral vendido em sacos nas agropecuárias, mas se utilizar este material deve misturar com areia.

Podas:

Quando aparecem folhas amarelas, faça uma poda, abrindo espaço para as brotações. As mudas que surgirem da extensão do rizoma (caule subterrâneo) devem ser retiradas, evitando-se que a planta cresça demais e tenha que ser transplantada para um vaso maior. A renda-portuguesa e a samambaia-de-metro queimam com o frio; portanto, recomenda-se podá-las inteiramente antes de o inverno chegar ou deixá-las em local mais quente durante a estação fria. Depois, elas brotam vigorosas.

Pragas:

É comum aparecerem lagartas que comem as folhas. Faça uma catação manual. Contra pulgões e ácaros, pulverize com calda de fumo para afastá-los. Se eles aparecerem na planta, corte as folhas afetadas tentando evitar que a doença se alastre. Para eliminar, só pulverizando com inseticida.

Mudas:

A maneira mais fácil de fazer uma muda de samambaia é com parte do rizoma. Em algumas espécies, ele é um filamento, como ocorre nas samambaias-americana, de metro e rabo-de-peixe; em outras, parece o rabo de um bicho peludo. É o caso da mandaiana e das rendas portuguesa e francesa. No primeiro tipo, o rizoma lança novas mudas periodicamente (na rabo-de-peixe é mais raro). Quando isso acontece, retire a muda cuidadosamente, cortando as folhas grandes na metade e tomando cuidado para não danificar os brotos. A seguir, plante-a em outro vaso. Quando os rizomas são do segundo tipo, formam um emaranhado compacto. Para fazer a muda, corta-se um pedaço, de preferência que esteja com broto, espetando-o em um vaso com substrato.
A melhor época para tirar mudas é no verão. Faça o plantio inicialmente em um vaso pequeno, pois se a planta for colocada logo em um vaso grande, as raízes vão se espalhar, soltando poucos brotos. Depois de dois meses, transfira para o vaso definitivo. O substrato mais usado é o pó de xaxim. Hoje em dia, passou a ser usual misturá-lo com fibra de coco, turfa e vermiculita. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário